Category Archives: Filosofia

SER RACIONAL OU SER EMOCIONAL? O QUE É MELHOR? | GUILHERME BROCKINGTON

Published by:

Guilherme Brockington, doutor em neurociência e educação pela USP, conversa sobre os equívocos entre razão, emoção e sua abordagem pela visão da neurociência. Discutindo como a tomada de decisões podem afetar o ser humano.

Consulte os cursos no site da Casa do Saber: http://www.casadosaber.com.br/
Inscreva-se no canal – http://smarturl.it/CasadoSaber
Vídeos novos terças e quintas às 10h.

A VIDA COM OS OUTROS: RICHARD SENNETT E A SOBREVIVÊNCIA DO CARÁTER | RODRIGO PETRONIO

Published by:

No programa de hoje, Rodrigo Petronio, escritor, filósofo e autor, expõe os pensamentos do sociólogo e historiador, norte-americano Richard Sennett, que propõe uma análise chamada “Homo Faber”.

Consulte os cursos no site da Casa do Saber: http://www.casadosaber.com.br/
Inscreva-se no canal – http://smarturl.it/CasadoSaber
Vídeos novos terças e quintas às 10h.

O JOGO DO AMOR | THE LOVE GAME | CLAUDIA FEITOSA-SANTANA

Published by:

Nossos antepassados viviam num mundo sem cores e faziam sexo sem amor. Mas faz tempo que vivemos com ambos, e ninguém quer uma vida em tons de cinza ou fazer sexo como se faz academia. Cor é fácil mas o amor é complicado. Ainda é um mistério a fase que antecede o amor pleno enquanto os amantes jogam o “playing-hard-to-get”. Sabemos que nesse jogo estão: agir de forma confiante e gastar tempo com outras pessoas, entre 58 atitudes que incluem não responder as mensagens, não ligar no dia seguinte, e até namorar outra pessoa. Homens e mulheres apresentam muitas semelhanças. Faz mais uso disso quem tem mais traços narcisistas e maquiavélicos, ou seja, são mais egocêntricos e manipuladores. Tudo válido para hetero e homo afetivo. Enfim: Romeu e Julieta é bem raro. Se ambos jogarem muito duro, vão acabar separados. Só pode acabar bem se alguém der o primeiro passo. Na incerteza do interesse do outro lembre-se que você não tem nada a perder e dê o primeiro passo. Fica o alerta: não confunda sua incerteza com falta de interesse do outro. E lembre-se que orgulho (ou medo) é bom, mas em excesso faz seu mundo ficar metaforicamente sem cor e literalmente sem amor. Referências: Sergio Almeida goo.gl/tMVECn e https://www.facebook.com/almeida.sergio, e Jonason & Li (2013) Playing hard to get: Manipulating one’s perceived availability as a mate. European Journal of Personality, 27, 458-469 no link goo.gl/XBsK3P
Claudia Feitosa-Santana:
https://www.linkedin.com/in/claudia-feitosa-santana
http://lattes.cnpq.br/9498287990495823

Home


https://www.facebook.com/claudia.feitosasantana
Our ancestors lived in a colorless world and had sex without love. But we’ve been living with both for a long time, and no one wants a life in shades of gray or having sex like going to the gym. Color is easy but love is complicated. It is still a mystery the phase that precedes full love while lovers play the “playing-hard-to-get”. We know that in this game acting confidently and spending time with others, among 58 things that include not answering the messages, not calling the next day, and even dating someone else. Men and women have many similarities. It makes more use of this who has more narcissistic and Machiavellian traits, that is, they are more egocentric and manipulative. Valid to LGBTQIAPK people. Anyway: Romeo and Juliet is very rare. If both play very hard to get, they will end up separated. It can only end well if someone takes the first step. In the uncertainty of the other’s interest remember that you have nothing to lose and take the first step. Be alert: do not confuse your uncertainty with lack of other’s interest on you. And remember that pride (or fear) is good, but too much makes your world metaphorically colorless and literally without love. References: Sergio Almeida goo.gl/tMVECn and https://www.facebook.com/almeida.sergio, and Jonason & Li (2013) Playing hard to get: Manipulating one’s perceived availability as a mate. European Journal of Personality, 27, 458-469 at goo.gl/XBsK3P link.

Consulte os cursos no site da Casa do Saber: http://www.casadosaber.com.br/
Inscreva-se no canal – http://smarturl.it/CasadoSaber
Vídeos novos terças e quintas às 10h.

NEUROCIÊNCIA APLICADA AO DIREITO | NEUROLAW | CLAUDIA FEITOSA-SANTANA

Published by:

Informações que faltaram no vídeo: Ambos reconhecimentos exigem que apenas o suspeito seja
apresentado com todos os outros sabidamente inocentes. No reconhecimento sequencial: não é
dada à testemunha a chance de voltar para um suspeito, seja pessoal ou fotográfico.
Platão: nossa percepção é relativa. Aristóteles: nossa memória é como impressão em cera,
formatável. Estudos científicos comprovam: percepção depende de história e contexto, e memória
quase sempre não é confiável. E o reconhecimento? Como ele acontece no Brasil?
Reconhecimento simultâneo. Com pessoas ou fotografia. Reconhecimento fotográfico. A literatura
científica sugere o reconhecimento sequencial: chances de se reconhecer inocentes é muito
menor, mas também diminui as chances de se reconhecer um criminoso. Mas seja no Brasil ou em
outros países, Estado prefere correr o risco de ter inocentes na prisão a correr o risco de ter
criminosos pelas ruas. Outro fator que agrava essa resistência: empatia pelos nossos.
Normalmente legisladores são brancos e, em grande parte, os infratores são pardos ou pretos.
Quantos inocentes nós temos no sistema prisional? A neurociência também pode junto com os
profissionais do direito criar procedimentos. Os profissionais do direito estão hoje empilhados de
processos com provas mal produzidas, mas eles precisam de tempo para se dedicar em crimes
mais relevantes que são aqueles que afetam a estrutura da nossa sociedade, impossibilitando a
inteligência policial e jurídica de se concentrar nos crimes mais relevantes, geralmente cometidos
por grandes políticos e que afetam os cofres públicos do brasil assim como profundamente afetam
a autoestima dos brasileiros.

Claudia Feitosa-Santana:
https://www.linkedin.com/in/claudia-feitosa- santana
http://lattes.cnpq.br/9498287990495823

Home


https://www.facebook.com/claudia.feitosasantana
Relevant infor missing from the video: Both procedures require that only the suspect be presented
with all others known to be innocent. In sequential recognition: to the witness is not given the
chance to return to a suspect, whether personal or photographic.
Plato: our perception is relative. Aristotle: our memory is like wax. Scientific evidences: perception
depends on history and context, and memory is almost always unreliable. What about
recognition? How does it happen in Brazil? Simultaneous recognition. With people or
photography. Photographic recognition. Scientific literature suggests sequential recognition:
chances of recognizing innocents are much lower, but it also diminishes the chances of recognizing
a criminal. But whether in Brazil or in other countries, the State prefers to run the risk of having
innocents in prison run the risk of having criminals in the streets. Another factor that aggravates
this resistance: empathy for our own. Usually lawmakers are white and, to a large extent,
offenders are brown or black. In the United States 2000 innocents are arrested every year and the
question is: how many innocents do we have in the Brazilian prison? Neuroscience can together
with the law professionals create procedures. Law professionals need time to devote themselves
to more relevant crimes that are those that affect the structure of our society, making it
impossible for police intelligence and juridical to focus on the most relevant crimes, generally
committed by politicians and that affect the public coffers of Brazil as well as deeply affect the
self-esteem of Brazilians.
Consulte os cursos no site da Casa do Saber: http://www.casadosaber.com.br/
Inscreva-se no canal – http://smarturl.it/CasadoSaber
Vídeos novos terças e quintas às 10h.